De Volta a Furnas e Igarat√°

18 e 19.11 e 9.12.2017

Olá amigos(as), depois de um longo tempo sem a companhia da minha grande parceira nas pescarias, devido aos cuidados com nossa pequena, tivemos a oportunidade de pescar juntos mesmo que só por uma tarde pra mamãe matar as saudades das pescarias.

Esse relato será dividido em 2 partes, na primeira, de volta àquele paraíso de belíssimas paisagens que é Furnas, que com a grande ajuda da vovó Cibele que ficou cuidando da nossa pequena Sarah, foi possível pescar novamente um pouco com a mamãe e mesmo sendo apenas uma tarde de pescaria, bastou para a mamãe dar uma surra no papai rs.

Conseguimos agendar uma pescaria de dois dias no mês de novembro com o grande guia e amigo Leandro Silva, partimos de São Paulo na sexta feira dia 17/11 e pegamos um baita trânsito, pra variar, que acabou atrasando nossa chegada a Itatiba, onde mora o Leandro, que faria nosso translado até Furnas (a título de curiosidade, o translado já está incluso no pacote). Depois de uma viagem tranquila, chegamos a Furnas por volta das duas da manhã e já fomos descansar.

Novamente ficamos na pousada Jatobá, uma pousada muito acolhedora, com muito conforto e uma comida deliciosa e um acolhimento muito carinhoso da Hilda e do Paulo que fazem agente se sentir como se estivéssemos em casa, obrigado a pousada Jatobá pelo carinho e atenção.

Antes da pescaria, o Leandro já tinha nos avisado de que a represa estava em um nível muito baixo e que a região de pesca próximo a pousada não estava muito boa para peixe e que teríamos que pescar próximo a região de capitólio, onde a água estava mais clara e com uma maior concentração de peixes, mesmo assim, resolvemos no sábado pescar próximo a pousada e voltar para o almoço, pois a tarde a vovó ficaria cuidando da netinha para que a Re pudesse ter o gostinho de pescar novamente depois de todo esse tempo de jejum rs.

Na parte da manhã pescando perto da pousada foi muito fraco, como o próprio guia já havia nos passado, então voltamos para a pousada para um belo almoço e um pequeno descanso para a tarde partir para a região de Capitólio.

Partimos para lá e o tempo estava bem estranho, fechado, com vento e um pouco de chuva, mas nada que desanimasse. Chegamos ao primeiro ponto e a Re já acerta seu primeiro, era um pequeno, mas era só para esquentar e matar as saudades.

Eu, nesse dia não tive muita sorte, acabei trabalhando para tentar levantar os peixes e torcendo para minha companheira realizar as grandes capturas e matar um pouco da saudades dos azulões que tanto amamos e ela não perdeu a forma, foram peixes de 50, 52 e alguns pequenos, mamãe se realizou.

E assim terminou nosso sábado, com muita alegria, companheirismo e felicidade de pode pescar novamente com minha parceira. E contando nos dedos os dias para que chegue a hora de pescar toda família junto.

No domingo a mamãe preferiu ficar com nossa pequena, então partimos direto para a região de capitólio pra pescarmos o dia todo por lá e almoçar a deliciosa picanha preparada pelo guia às margens da represa.

Acordamos às 7 da manhã, tomamos um belo café e partimos para pescaria. O guia conta com uma excelente embarcação bassboat com motor 200 hp com muito conforto o que facilita demais o deslocamento entre os pontos de pesca.

E logo no primeiro ponto já sai o primeiro tucuna.

Como sempre digo, pesque, fotografe e solte.

Mudança de ponto e estava uma festa dos pequenos e em um único lugar foram capturados mais de vinte tucunarés, todos devolvidos de volta para vida.

Nesse dia, como eu estava pescando sozinho o guia resolveu me fazer companhia, o Leandro quando está com os clientes não pesca, oque na minha opinião é um grande diferencial, mas como eu estava sozinho, insisti para me fazer companhia e acabou acertando esse belíssimo peixe. Após a captura do peixe, que acabou enroscando nos galhos, o Leandro pediu para eu segurar a vara que ele iria mergulhar para tentar desenroscar e quando chegamos perto do galho havia outro tucunaré gigante ao lado do que estava enroscado, tratava-se de um belíssimo casal. O Leandro desceu e desenroscou o peixe, mas o outro acabou fugindo com a bagunça, aí o Leandro disse: Rodrigão, vamos continuar pescando e daqui a pouco voltamos para bater exatamente aqui novamente e ver se o tucunaré volta.

Continuamos pescando e até uma tilapia entrou na isca artificial

Após batermos alguns pontos, voltamos para o lugar do ocorrido e o Leandro diz: Rodrigão pode arremessar lá exatamente no mesmo lugar, faço arremesso e não é que realmente o peixe tinha voltado para lá, foram algumas puxadas com um popper da borboleta e vem um tremendo estouro pow, o peixe arranca com tudo para o meio da pauleira e acaba escapando. Foram alguns segundos de adrenalina e dessa vez a vitória foi do azulão, coisas da vida e novas histórias de pescador para contar.

Após essa muvuca toda, ainda deu tempo de capturar mais alguns exemplares e ver algumas explosões nas iscas de hélice.

Outro ponto importante na operação é que o guia fornece, sem custo para os clientes, a linha de varas viking da redai de diversas libragens, facilitando assim a vida dos clientes, pois não precisam levar suas próprias varas já que tem à disposição um material de alta qualidade.

E assim terminou mais uma jornada em furnas, sempre deixando saudades...

E agora vamos para a parte 2.

Parte 2 – Viagem Igaratá 9 Dezembro

Cá estou eu novamente na minha amada represa de Igaratá em busca dos esportivos amarelinhos. Dessa vez estive acompanhado pelo amigo e grande pescador Gustavo Talieri e também do grande guia e amigo Leandro Silva.

Tempo meio fechado pela manhã e o guia nos passa a informação de que o peixe está um pouco lento, mas que a maioria das ações estava acontecendo nas iscas de superfície e ele realmente estava certo, pois todos os peixes foram capturados na superfície.

Os peixes estavam bem manhosos, muitas vezes seguiam as iscas até perto do barco, mas não atacavam.

Costumo falar que a represa de Igaratá é umas das mais difíceis de pescar, pois o peixe migra muito de lugar e ela tem um tipo de estrutura bem diferente das outras represas, apesar dos tucunas não serem tão grandes são muito fortes.

Fomos batendo alguns pontos e o peixe apenas seguia ou rebojava nas iscas, não atacava, até que no fundo de uma grota eu passo um minha isca e o peixe explode nela, mas não pega, o parceiro também arremessa o peixe faz o ataque, mas não acerta, arremessamos muitas vezes no mesmo lugar e o peixe não volta atacar, decido então arremessar em uma outra estrutura perto do lugar onde o peixe havia atacado e ele sai de baixo da estrutura vem seguindo a isca e dá uma cacetada, está lá nosso primeiro amarelinho.

Para vida.

Era impressionante a quantidade de peixes que seguiam a isca e não atacava, às vezes tinha que insistir passando a isca mais de uma vez no mesmo lugar para conseguir ter ação.

E depois de muita insistência, mais uma bela pancada na superfície, ataques que ficam marcados para sempre na cabeça do pescador, como é fantástico esse peixe, por isso precisamos preservar cada vez mais!

Um ponto que vale ressaltar é que na operação de Igaratá o guia disponibiliza sem custo para os clientes as varas viking da redai de 12 e 14 libras e também toda linha de iscas da moro e deconto para uso durante a pescaria.

Continuando a pescaria o guia nos leva a mais um belo ponto e fomos batendo até chegar ao fundo de uma grota, um lugar bem raso onde vimos uma certa movimentação de peixe, o parceiro e eu arremessamos algumas vezes e vários rebojos, mais não pegava, até que depois de muita insistência levo mais uma pancada e capturo a fêmea, mas quando está chegando perto do barco ela escapa, o parceiro arremessa no mesmo lugar e vem outro grande estouro, uma pancada linda e mais um belo peixe é capturado, parabéns parceiro.

Ouro de Igaratá

Após essa captura e um sol de rachar o guia sugere parada para almoço, vamos encostar as margens da represa para bater papo, contar um monte de história de pescador rsrs e saborear uma deliciosa picanha que também está incluso no pacote.

Após um belo almoço e muitas risadas, voltamos para pescaria e os peixes continuam no mesmo padrão, seguindo as iscas, mas na maioria das vezes não atacava.

Mesmo depois de um bom tempo sem ações o guia estava sempre animado, incentivando e sempre falando que logo eles iriam aparecer, isso faz muita diferença, pois sempre mantém os pescadores animados.

Chegamos a um ponto muito bonito, um lugar com muitas pedras na água e logo capturamos mais um que acaba escapando, mas continuamos ali e quando chega perto de uma grande pedra venho zarando e o peixe dá uma linda explosão chegando a sair quase todo da água, infelizmente não acerta a isca, fizemos milhões de arremessos no mesmo lugar, mas ele não voltou atacar.

Mas continuamos na insistência, até que na entrada de uma grota faço um arremesso, num lugar que se eu arremessasse umas cem vezes não acertaria rsrs e o parceiro até comenta: essa merece um peixe. Foram algumas zaradas e pow, ali estava meu troféu do dia, alguns minutos de muita tensão, pois a garatéia estava bem na beiradinha da boca, quase para escapar e finalmente tiramos meu troféu. O Guia oferece uma premiação paras os clientes que capturam peixes de 40, 45 e 50 cm, onde pegando os de 40 você pode ganhar brindes, de 45 50% de desconto na próxima pescaria e o de 50 cm ganha uma pescaria grátis.

No mês de setembro em uma pescaria com o Leandro eu tive a grande sorte de capturar um troféu de exatos 50 cm, é um peixe raro para a represa e muito difícil de encontrar, foi um momento de muita felicidade e muita festa.

Após capturar o peixe deu para ver que a fêmea estava ao seu lado enquanto tirávamos o peixe, o parceiro foi fazendo arremessos próximos, mas a fêmea não subia, então resolvo fazer mais um arremesso, ela explode na minha isca e capturo mais uma bela amarelinha.

Após essa captura e com um belo final de tarde, o guia ainda oferece aos seus clientes uma deliciosa porção de salame, um capricho e um trato totalmente diferenciado e que deixa os clientes muito mal acostumados rs.

E para finalizar esse dia majestoso um belíssimo por do sol.

Gostaria muito de agradecer a Deus pela vida e pela oportunidade de estar pescando mais uma vez, agradecer minha amada esposa e filha por me darem essas oportunidades, por estarem junto comigo e por essa família maravilhosa que nós conseguimos formar, agradecer também a minha mãe por ser esse anjo em nossas vidas, ao grande amigo Leandro Silva por todo carinho e atenção, pelo grande empenho e dedicação para realizamos sempre ótimas pescarias, valeu maninho, parabéns pelo seu trabalho está cada dia mais TOP e também agradecer ao amigo e grande pescador Gustavo Talieri por me acompanhar nessa jornada, é sempre um grande prazer poder pescar com você.

Até a próxima!

Para quem tiver interesse em realizar essas aventuras, os contatos do Leandro são:

Página do face: https://www.facebook.com/leandrosilvafotosepesca/?fref=ts
Site: www.leandrosilvapesca.com.br/
Telefone: (11) 99908-0188
Email: contato@leandrosilvapesca.com.br

Pousada Jatobá - Furnas

Site: http://www.pousadajatoba.com.br
Telefone: (35) 99985-5338
Email: contato@pousadajatoba.com.br