Dicas para a pescaria do Tucunaré Açu

Realizamos o sonho de pescar os Tucunarés Açu na região de Barcelos-AM nas belas águas do Rio Negro e para realizar esse sonho foram meses de preparação, muita pesquisa, leitura de relatos e dicas de pesca de pescadores renomados em fóruns de pesca, além de muita troca de emails para conseguir o maior número de informações possível. Fizemos poucas viagens e tento descrever aqui um pequeno resumo dos equipamentos que utilizamos e algumas dicas que espero ajudar a quem tiver o interesse de realizar sua primeira viagem para aquele paraíso. Gostaria de deixar claro que essas dicas são fruto de nossas pesquisas e experiências e que o grande intuito é de ajudar os amigos pescadores que pretendem se aventurar por lá, mas que ainda temos muito a aprender sobre a pesca por aquelas águas.

Vou começar pelas carretilhas

As carretilhas devem ser de boas marcas que comportem de 80 a 100 metros de linha, hoje temos uma gama muito grande de marcas boas no mercado, nós gostamos muito e utilizamos as da Shimano e da Daiwa. É importante também buscar sempre as mais leves e com bom freio. Outro detalhe importante é priorizar carretilhas com recolhimento rápido principalmente para iscas de hélice. Esses são os modelos que levamos Metaniun, Curado, Tatula Type R e Choronarch.

Varas

Nós utilizamos varas de 5'6" a 5'7" de 20 a 25 libras, gostamos desse tamanho de vara, pois trabalhamos sempre com ponta da vara para baixo e os tamanhos maiores que esse ficam pegando na água e atrapalhando o trabalho das iscas. Hoje temos uma gama muito grande de ótimas marcas no mercado como: redai, shimano, rapala entre muitas outras, mas nós temos obtado por utilizar varas customizadas, pois conseguimos deixar ela de acordo com tudo que nós gostamos e precisamos para uma boa pescaria.
Em relação a ação, levamos sempre uma rápida para as hélices e outras média rápidas para iscas como zaras, sticks, jigs e sub-superficie.

Gostamos sempre de utilizar 3 conjuntos: um com hélice, um com zara e um outro com jig ou sub-superfície.

Alguns tucunarés capturados.

Tucunaré de 22 libras capturado com vara de 20 libras.

Tucunaré 20 libras capturado com vara de 25 libras.

Linhas e leader

As linhas temos sempre utilizado de 55 libras da marca G-Soul Wx 8 ou Triumph 50 libras e o leader da marca Triumph também de 50 libras.

Snaps

O Snaps que temos utilizado são os de engate rápido do glico de 80 libras. Muito resistente e facilita muito na troca das iscas. Para iscas de hélice que a troca de isca é menor não utilizamos snap.

Iscas

O primeiro ponto importante é avaliar as garatéias e argolas de todas as iscas, não sentiu confiança faça a troca por outra que seja compatível com a isca para não desbalancear. Nós utilizamos as argolas da owner de 50, 60 e 70 libras, variando de acordo com o tamanho das iscas, e as garatéias da Owner ST66TN 4X. Importante sempre levar algumas garatéias extras para trocar na pescaria caso seja necessário.
Em relação as marcas, hoje o mercado tem um opção muito grande para agradar os pescadores, mas vou citar algumas que levamos e tivemos mais ações.

As iscas que tivemos melhores resultados:

Hélices

Jennerlure tucunarex 140, High Roller 5.25, Yara Devassa 140 e Jet 120 Nelson Nakamura

Zara/Stick

Sará Sará Nelson Nakamura, Rebel Jumping Minnow T20, Zig Zara Nelson Nakamura, Jackal Bonnie 128, River2Sea Rover 128, Dr Spook, Duo Realis Pencil 110

Popper

Stick popper borboleta e Quimerinha

Sub-superfície

Curisco 110 Nelson Nakamura, Perversa Borboleta, Araçatubinha, Subwalk Rapala e Biruta 110

Meia água e fundo

X-rap 10 e 12 Rapala, Aile Magnet e Jig Fatal Jigs

Horário da pescaria

A maioria dos peixes grandes foram capturados entre 10h30 e 15h00, hora que o sol está mais quente e por isso evitamos parar para almoçar, optamos por realizar pequenas paradas para um lanche antes e depois desse horário para que possamos pescar integralmente nesse período. Mas isso quer dizer que não devo pescar nos outros periodos? Claro que não, nos outros horários também saem bons peixes, o que gostaria de deixar claro é que foi nesse horário que tivemos uma incidência maior de peixes grandes.

Persistência

Com a pescaria difícil, passávamos em alguns pontos que acreditávamos serem promissores e insistíamos muito nesse mesmo lugar, tinha ponto que chegávamos a realizar 10 a 20 arremessos e só depois disso o peixe entrava. Variar tipos de iscas nesses lugares também pode trazer bons resultados, as vezes o peixe não está afim de muito barulho e um jig ou uma sub-superfície trabalhando mais lento pode ser uma boa opção.

Saber escutar

Os guias são pessoas geralmente nativas da região e com muita experiência, ouvir as dicas deles de trabalho, cores de iscas e direções onde fazer os arremessos pode ser a diferença entre pegar ou não o seu troféu, então procure sempre seguir seus conselhos.

Amazônia é muito mais que pescaria

É claro que todos nós que vamos para lá, temos o sonho de pegar muitos peixes e principalmente o grande troféu, lemos um milhão de relatos de muitas pessoas que faz parecer que a pescaria lá é muito fácil e com muitos peixes e grandes, mas a pescaria lá não é tão fácil assim e a jornada pode ser dificultada por uma série de fatores como: mudanças climáticas, chuva, nível de água entre outras coisas que podem acontecer. Sendo assim, nesses momentos de dificuldade, tente não pensar só na pescaria, pois você está em um dos lugares mais lindos do mundo, curta as maravilhosas paisagens, os animais, enfim curta o passeio, tire muitas fotografias, contemple a natureza, sorria e curta os amigos. Aproveite também para fazer novas amizades e aprender com a experiência dos outros, assim você terá grandes chances de sair com bons resultados. E pratique sempre a pesca esportiva, pesque, fotografe e solte.